Designados membros do Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual

Finalidade do órgão é definir o plano anual de investimentos, selecionando áreas prioritárias, acompanhar a implementação das linhas de ação e avaliar os resultados alcançados

Foto: Divulgação

O Ministério da Cidadania publicou (24/10), no Diário Oficial da União, portaria que designa os nove membros do Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual (CGFSA). A finalidade do órgão é definir as diretrizes e o plano anual de investimentos, selecionando as áreas prioritárias para a aplicação de recursos do FSA, estabelecer os limites de aporte financeiro aplicável a cada grupo de ações, acompanhar a implementação das linhas de ação e avaliar os resultados alcançados. Também compete ao comitê estabelecer normas e critérios para apresentação de propostas de projetos, parâmetros de julgamento e limites de valor financeiro.

O CGFSA é composto pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra, que preside o comitê; pelo secretário especial da Cultura, Ricardo Braga, pelo secretário-executivo adjunto da Casa Civil da Presidência da República, Fernando Wanddscheer, pelo chefe da assessoria de Comunicação Social do Ministério da Educação, Josué Custódio Fernandes, pelo diretor-presidente da Agência Nacional do Cinema (Ancine), Alex Braga, e pelo chefe do departamento de Telecom, TI e Economia Criativa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Ricardo Rivera.

Os representantes do setor de audiovisual designados são o executivo Hiran Silveira, o roteirista Paulo Rogério Cursino e o empresário Cícero Aragon. Todos os cargos possuem suplentes. Os representantes têm mandato de dois anos, com recondução por igual período. O ministro Osmar Terra convocará em breve a reunião.

Sobre o FSA

O Fundo Setorial do Audiovisual é o mais importante mecanismo público de fomento à indústria cinematográfica nacional, realizando investimentos em todos os elos da cadeia produtiva. Em 2019, até 10 de outubro, o FSA apoiou 591 projetos, com investimento total de R$ 467.106.089,47, dos quais R$ 396.062.199,61 já foram desembolsados.

A principal origem dos recursos é a Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine), que incide sobre a veiculação, a produção, o licenciamento e a distribuição de obras cinematográficas e videofonográficas com fins comerciais, bem como sobre o pagamento, o crédito, o emprego, a remessa ou a entrega, aos produtores, distribuidores ou intermediários no exterior, de importâncias relativas a rendimento decorrente da exploração de obras cinematográficas e videofonográficas ou por sua aquisição ou importação, a preço fixo. Também são tributados serviços que se utilizem de meios que possam, efetiva ou potencialmente, distribuir conteúdos audiovisuais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here