O Céu de Cuiabá é Mar do Rio – por Anna Maria Ribeiro Costa

0
89
Anna Maria Ribeiro
Anna Maria Ribeiro Costa – Escritora Pesquisadora com pós-doutoramento em Ciências Sociais PUC/SP

Na madrugada do dia 21 para 22 de dezembro, das alturas, Loyuá e Igor avistaram Cuiabá. A cidade se esparramava como um enorme tapete com luzinhas tremeluzindo. No céu, ao contrário, nada piscava intermitentemente. A Lua Cheia, Lua Redonda no dizer do povo indígena Nambiquara, sozinha reinava. A abrir o solstício de verão, o dia mais longo do ano, o hemisfério Sul acha-se tendente na direção do Sol, a receber mais raios solares.

Na astrologia, o fenômeno do encontro Lua Cheia e solstício de verão significa que “as verdades estão plenas e tudo o que é verdadeiro pode se manifestar.” A raridade da ocorrência astronômica – energia do solstício em consonância com a Lua Cheia – nos presenteia com um grande momento de paz entre as pessoas.

Ao relacionar a beleza do céu de Cuiabá com o mar do Rio de Janeiro, suas duas cidades natais, Loyuá observa o céu em fenômeno tão raro com outro olhar. A conjugar o verbo “sulear” (entender o Sul a partir do Sul), experimenta o fenômeno com o sensorial, com seus referenciais.

Embevecida com a escuridão do céu, enfeitado com Lua Cheia, a receber as primeiras claridades do Sol que deixam nuvens em aquarela, não contraria os poetas mato-grossenses e tantos viajantes estrangeiros que estiveram sob o céu cuiabano a registrar emoções para além da astronomia. Lévi-Strauss, por exemplo, o professor francês que “detestou a Baía da Guanabara”, calou-se ao observar o céu de Mato Grosso nos anos de 1936-1938 e 1984.

Pelo povo Bororo, que nomeia astros e estrelas e com eles se direcionam, o céu de Cuiabá é observado diferentemente da percepção europeia, assim como fazem os demais povos indígenas. Merié o Sol. Arié a Lua. Merie Arisão irmãos poderosos e travessos. Merié o irmão mais velho, mais poderoso que Ari, seu reflexo. Juntos, responsabilizam-se para influenciar o modo de vida indígena Bororo. Suas aldeias são circulares e refletem as formas dos dois astros celestes mais proeminentes, que se alinham no eixo Leste-Oeste, acompanhando o percurso solar maior.

Para Loyuá, a Lua Cheia do solstício de Verão iluminou a imensidão do céu tal qual a imensidão do mar. Do céu de Cuiabá; do Mar do Rio. Que a previsão da astrologia para a raridade do encontro Lua Cheia-solstício de verão nos presenteie verdadeiramente com uma grande vontade de construção de paz entre as pessoas.

Feliz Natal!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here